Teste de qualidade de sementes: para que serve e quando realizar?

Quando se trata de qualidade das sementes, diversos cuidados precisam […]

quinta-feira | 23 setembro

Quando se trata de qualidade das sementes, diversos cuidados precisam ser tomados para que se tenha garantia. É essencial considerar a escolha do material genético, área de cultivo e práticas de manejo, cuidados que vão desde a semeadura da cultura até a entrega do produto final.

Obter uma lavoura bem estruturada com uniformidade e sem falhas é sempre desejável. A semente é a matéria prima que carrega consigo toda pesquisa e desenvolvimento do melhoramento genético, e por isso é considerada insumo básico de grande valor. O uso de sementes de alta qualidade, obtida via avaliação correta, é o principal fator que vai determinar o aumento da produtividade e o sucesso da produção agrícola.

Para produzir sementes de alta qualidade é imprescindível realizar inspeções dos seus atributos em diversos momentos da produção, como plantio, colheita, beneficiamento e comercialização. Como a produção de sementes é uma prática muito criteriosa, existe uma Lei que regulamenta o setor e dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas (link).

O que é considerada semente alta qualidade?

A semente de qualidade deve compreender algumas características quantitativas e qualitativas que as distinguem dos grãos e determinam seu desempenho no campo. Os atributos genéticos, físicos, fisiológicos e sanitários são indispensáveis para atestar a qualidade de uma semente e classificá-la.

Quando se trata de produção de sementes, inúmeros cuidados necessitam ser tomados no decorrer e após o ciclo da cultura, a fim de garantir que estes atributos estejam presentes no produto final.

Os cuidados englobam a escolha do material genético, área de cultivo, manejo da cultura, colheita, avaliação da qualidade de um lote no momento da formação e armazenamento, fornecimento de dados para a etiquetagem e fiscalização do comércio, estabelecimento de bases para a compra e a venda, fixar bases para distribuir, armazenar ou descartar, beneficiar, transportar e identificar problemas e possíveis causas que possam surgir.

Atributos Genéticos

Uma semente de qualidade, no que diz respeito a atributo genético, deve deter de representatividade do seu material genético, pureza varietal, homogeneidade, potencial de rendimento, resistência a doenças e insetos, porte, entre outros. A pureza varietal das sementes, tão necessária no momento da comercialização, é exigida pela legislação brasileira. Sua avaliação é feita baseada em caracteres morfológicos associados à semente, como formato, tamanho médio, coloração do tegumento, formato e cor do hilo. que possibilitam garantir que a cultivar produzida mantém os atributos genéticos do material esperado.

Atributos Físicos

No quesito atributo físico, considera-se a pureza física, teor de umidade e danos mecânicos causados por insetos. A semente deve estar livre de deteriorações, materiais inertes e impurezas. Para avaliar danos externos e internos, se faz necessário atestar sua qualidade física.

A análise da pureza física serve para assegurar que o consumidor conheça a quantidade de material inerte e outras sementes contidas no lote.  A pureza física pode sofrer influência pela forma de manejo da cultura e colheita.

A umidade é um dos principais fatores considerados para garantir a qualidade das sementes, já que está relacionada a danos por deterioração da semente. O monitoramento da deterioração por umidade pode ser observado a partir do teste de tetrazólio.

Quando se trata de dano mecânico, podemos pensar que eles vêm de processos físicos como desidratação e hidratação do tegumento ou também de práticas de manejo durante a colheita e transbordo das sementes. É um fator agravante na qualidade, classificados como de efeito imediato (visível a olho nu) ou latente (não é aparente e é mais acentuado do que o imediato).

Embrapa Soja – foto: Rufino

Atributos Fisiológicos

Os atributos fisiológicos são aqueles ligados às características metabólicas da semente, que são características como vigor e germinação de sementes, que refletem diretamente na capacidade de desenvolvimento da planta, conformidade da população de plantas, uniformidade da lavoura e na velocidade de germinação.

A germinação expressa a capacidade da semente de formar uma plântula normal, em condições normais.

O vigor expressa a capacidade das sementes gerarem plantas de alto desempenho, em condições desfavoráveis. Refere-se à velocidade e uniformidade de germinação das sementes requeridas.

Atributos Sanitários

Sementes com boa sanidade são aquelas ausentes de patógenos causadores de doenças fúngicas, virais e bacterianas, assim como ausentes de insetos, ovos ou larvas de possíveis insetos infestantes. A presença de patógenos junto às sementes é um dos principais métodos de entrada e disseminação de doenças em novas áreas. Além disso, afeta a viabilidade e o vigor das sementes e tem impacto direto na produtividade.

A saúde das sementes, atributo intimamente ligado ao manejo da cultura, está relacionada a boas práticas e cuidados realizados, que vão desde a semeadura até o beneficiamento e armazenagem delas. Sementes sadias convergem-se em plantas saudáveis e em bom desenvolvimento inicial da cultura.

Parâmetros avaliados e momento de realização dos testes

Para o período em que a planta está no campo e o período de colheita, beneficiamento e armazenagem sãos responsáveis por influenciar na qualidade das sementes. O primeiro período é aquele em que a cultura se encontra em um ambiente externo e a atenção deve estar voltada para práticas de manejo que garantam a qualidade das sementes, como o uso de material genético de qualidade, controle de pragas e plantas daninhas, nutrição de plantas, entre outros. Já o segundo período é aquele em que se faz a manutenção da qualidade da semente produzida a campo, iniciado antes da colheita.

Para atestar a qualidade das sementes, alguns testes podem ser realizados com a finalidade de quantificar e monitorar parâmetros qualitativos dos lotes de sementes. Os testes mais realizados são: verificação de umidade, pureza física e varietal, peso de mil sementes (PMS), teste tetrazólio, teste de germinação, envelhecimento acelerado e emergência de plântulas.

Estes testes devem ser realizados em momentos distintos e, muitas vezes, em conjunto, com o propósito de inspecionar a qualidade das sementes.

Teste pré-colheita

Momento em que se utiliza uma amostra representativa do talhão a ser colhido para uma validação de resultado. Nesse caso, o teste de tetrazólio é o teste realizado a fim de melhor avaliar e informar sobre a qualidade das sementes. Este teste permite a detecção dos danos causados por percevejos, deterioração de umidade, e dano mecânico, sendo considerado um decisivo na tomada de decisão da colheita do campo para semente.

Na pré-colheita, é também interessante avaliar a umidade das sementes, que pode ser avaliada por um medidor de umidade portátil ou em laboratório, pois é esse teste que auxiliará na definição se o campo poderá ser colhido no dia seguinte.

Teste no momento da colheita

Momento que está próximo do ponto de maturação das sementes, em que possuem a máxima germinação e vigor.

Neste momento a determinação do grau de umidade e teste de hipoclorito são considerados testes fundamentais pois estes auxiliam na regulagem da colhedora para que não ocorra o dano mecânico. O teste de determinação de umidade também definirá o destino do material na indústria (secagem ou beneficiamento).

Ao longo do processo de colheita deve-se ter atenção duplicada para que não ocorra mistura varietal entre os lotes

Após a colheita, uma amostra do campo colhido é encaminhada para o laboratório para realização do teste tetrazólio a fim de monitorar a qualidade da matéria prima destinada a semente.

Teste na recepção das sementes

As avaliações feitas nesta etapa vão destinar o lote à secagem e/ou beneficiamento. Aqui se avalia mais uma vez a umidade, os danos mecânicos e a ocorrência de sementes esverdeadas, com especial atenção para que não ocorra mistura varietal de sementes

Teste na secagem

Neste momento, é novamente avaliada a umidade e a temperatura da massa de sementes, e teste de hipoclorito na entrada e saída do processo, para monitoramento e checagem de danos causados ao embrião.

Teste no beneficiamento

Etapa para caracterizar os lotes com base nos parâmetros e metodologias constituídas pela Instrução Normativa 9 (normas de produção, comercialização e utilização de sementes).

Nessa fase todo escopo de testes são realizados: verificação de umidade, pureza física e varietal, peso de mil sementes (PMS), teste tetrazólio, teste de germinação, envelhecimento acelerado e emergência de plântulas. Sendo estes os testes fundamentais na seleção do que será ou não comercializado de acordo com os padrões de qualidade definidos pela empresa.

Teste no armazenamento

Nesta etapa, é necessária a realização de checagem diária de temperatura e umidade dentro dos armazéns. É realizada também uma nova bateria de testes de germinação e vigor a fim de monitorar a qualidade do lote de sementes ao longo do tempo.

Teste após TSI

O instante após o Tratamento de Sementes Industrial (TSI), deve-se realizar o teste visual do TSI, em que se observa se houve boa e homogênea cobertura das sementes. Aqui também é interessante realizar o teste de emergência de plântulas, para investigar se os valores obtidos aferem com os valores verificados anteriormente, sem a intervenção do TSI.

Teste pré-expedição

Nesta última etapa, a cada lote expedido uma amostra é encaminhada ao laboratório para realização de testes de germinação e vigor para assegurar que o lote expedido possui as características requeridas pela legislação para a comercialização.

OU SEJA...

Lotes com sementes de alta qualidade darão origem a plantas com porte, ciclo e alto potencial produtivo iguais que, consequentemente, terão a mesma resistência a doenças, pragas e herbicidas.

Essas características são intrínsecas à genética das sementes, que conferem uma lavoura com plantas homogêneas. Sementes produzidas dentro das normativas possuem uma garantia de alta qualidade, apresentando desempenho superior quando comparadas às sementes de baixa qualidade. Dessa maneira, escolha empresas idôneas e prefira sementes certificadas, que vêm com a garantia do material genético que está levando para sua a lavoura.

"Aqui, na Sementes Goiás, realizamos diversos testes que transformam sementes em raridades de alto vigor e germinação. Estamos sempre preocupados em garantir a qualidade das sementes no campo, em áreas minunciosamente vistoriadas e auditadas, desde o plantio até a colheita", Ana Heloisa Schmidt, Gerente de Qualidade da Sementes Goiás.

Compartilhe: